Medo de viver!?

Hey, mundo!

Estou sumida, pois estou trabalhando muito. Assim que eu chegar no Brasil vou escrever tudo sobre meu intercâmbio. O post de hoje é um pouco diferente, é mais curtinho e íntimo, quase que uma crônica. Espero que gostem!

postagem-5-1

Voltando de Burlington. (Acervo pessoal)

Coração a mil, os medos à flor da pele e a vontade de não sair de casa, mas ao mesmo tempo criando forças para realizar o meu sonho. É assim a sensação de uma pessoa extremamente ansiosa como eu ao realizar sua primeira viagem totalmente planejada por conta própria.

Fui para Burlington, uma das maiores cidades, senão a maior, do estado de Vermont – a capital é Montpelier – há duas semanas. Desde a passagem de ônibus até onde eu ficaria, planejei sem a ajuda dos meus pais.

Se eu voltar no tempo quase três meses atrás, eu estava embarcando para Nova York, porém, meus primeiros dias nos EUA foram planejados o apoio da minha família. Não por menos, quando eu cheguei em meio ao desconhecido, na loucura (e no frio) de Nova York, encontrei-me desamparada e comecei a chorar no meio da rua. Eu só queria colo de mãe.

Ok. Colo de mãe é meio difícil, pois sou mais alta que ela, mas só queria estar deitada sendo abraçada, enquanto ela me faria dormir, acalmando todos os medos do mundo. Mas a situação ali era outra, um passarinho que acabara de aprender a alçar vôo, em meio à capital do mundo.

Alguns dias depois, meu intercâmbio realmente começou. Meu primeiro trabalho de verdade na vida, pessoas de trocentas nacionalidades, zilhões de modos de tratar o próximo. Vira e mexe, tropeçamos em pedras gigantes no meio do caminho, e nesses momentos que eu sinto falta de casa.

Admito, eu ligo para minha mãe todos os dias. Antes de eu vir para os Estados Unidos, costumava dizer que só entraria em contato com ela de vez em quando. Ligo para ela quando acordo e rezamos juntas, pois sinto que minha oração ficará mais forte e meu dia mais zelado.

Já chorei de saudades de casa (o famoso homesickness), mas também já chorei pelo medo de viver, pelo medo de enfrentar o mundo. O intercâmbio é uma experiência que faz, em minha opinião, o participante perceber o quanto ainda tem que crescer e aprender a viver.

Eu percebi o quanto cresci desde que cheguei aqui, no entanto, devo crescer muito ainda. Meu intercâmbio acaba em menos de 5 dias e, logo depois, farei um mochilão pelo Nordeste dos EUA, sozinha e tudo planejado por mim (com uma pitada de opiniões do meu pai).  Agora é a hora de erguer a cabeça e enfrentar todos os meus medos.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s